• AMA
  • ATLÉTICO MONTE AZUL
ùltimas
  1. Camisa oficial e autografada do Santos recebe lance de R$ 1,1 mil
  2. AMA leiloa em seu site camisa autografada do Santos
  3. Comunicado oficial sobre informações falsas da base
  4. Acompanhe os guerreiros do Azulão contra a Matonense pela internet
  5. Correção: Partida contra Catanduvense sofre alteração de local e horário

Catanduvense


A cidade de Catanduva tem uma longa tradição no futebol, que começou ainda na década de 1950, com o Catanduva Esporte Clube, que só se profissionalizou em 1955, disputando por 14 anos os campeonatos profissionais de São Paulo. De 1955 à 1963, a equipe disputou a Terceira Divisão, correspondente à Série B3 ou Sexta Divisão do futebol paulista, hoje extinta. No ano de 1963, o clube sagrou-se campeão desta divisão, subindo para a Segunda Divisão, que disputou até 1968, quando resolveu fechar as portas e foi extinto.

Catanduva ficou apenas dois anos sem ter um clube para torcer, já que em 5 de fevereiro de 1970 foi fundado o Grêmio Esportivo Catanduvense, que herdou a vaga do Catanduva Esporte Clube. Foram 18 anos disputando a Segunda Divisão, até que, em 1988, o time conquistou o acesso à Primeira Divisão (atual Série A2) do futebol paulista. Nesta época, a cidade de Catanduva teve seu auge no futebol, disputando o acesso para a Série Especial (atual Série A1) do Campeonato Paulista. Ainda naquele ano, o Grêmio Esportivo Catanduvense participou do Campeonato Brasileiro da Série B. No entanto, em 1993, com uma série de dívidas, o Grêmio não conseguiu formar uma boa equipe e acabou rebaixado. Junto com o rebaixamento veio mais uma mudança de nome, quando surgiu o Catanduva Esporte Clube, extinto dois anos mais tarde.

Para suprir a carência da cidade no futebol, foi fundado o Clube Atlético Catanduvense, em 8 de março de 1999. Por ter se ausentado por muito tempo de uma competição oficial, o Clube Atlético Catanduvense passou a disputar a Série B2 do Campeonato Paulista. Mais três anos se passaram sem que o clube tivesse uma conquista. Assim, em 2001, a equipe acabou abandonando o campeonato, tendo suas partidas canceladas.

Mesmo afastado do profissionalismo, o Clube Atlético Catanduvense só cedeu seu lugar na competição em 2004, quando o novo Grêmio Catanduvense de Futebol passou a representar a cidade. Embora naquele ano o time tenha jogado bem, acabou sendo eliminado na terceira fase da Segunda Divisão, competição que disputou até 2006, quando conquistou o acesso à Série A3.

Logo no ano seguinte, em 2007, o clube conseguiu ainda mais uma conquista: o acesso à Série A2, que disputou em 2008, 2009 e 2010, sem, no entanto, conseguir retornar à elite do futebol paulista.

Passados três anos disputando o Campeonato Paulista da Série A2, o de 2011 foi muito especial ao time de Catanduva. Fazendo uma campanha irretocável, somando 12 vitórias, oito empates e quadro derrotas, o Grêmio Catanduvense finalmente conquistou o tão esperado retorno ao Paulistão Chevrolet. Na classificação geral, o time presidido por Valmor Peruzzo, terminou na terceira colocação, atrás somente de XV de Piracicaba e Guarani.

E o tão esperado ano de 2012 chegou. Fazendo parte do seleto grupo dos 20 melhores clubes do estado de São Paulo, o Grêmio Catanduvense não conseguiu repetir o bom primeiro semestre de 2011 e fez uma campanha fraca, sendo rebaixado logo no seu retorno à elite. Apesar do descenso, o time do técnico Roberval Davino, que comandou a equipe durante as 19 rodadas da primeira fase, conseguiu fazer boas partidas contra Palmeiras, que empatou por 1 a 1 após sair na frente, Corinthians, que perdeu por 2 a 1 de virada, e Portuguesa, que também terminou com um empate sem gols. Durante a fase de classificação do Paulistão Chevrolet 2012, o Catanduvense somou duas vitórias, sete empates e dez derrotas.

Em 2013, o clube disputou novamente a Série A2. Após conseguir a sétima colocação na primeira fase, a equipe de Catanduva acabou falhando na tentativa de voltar para a primeira divisão.